English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Bem-Vindos!


Bem-Vindos ao Blog Economia Política!


Aqueles que usam este blog nunca devem se esquecer: o conhecimento humano deve sempre e acima de tudo servir ao Bem da Humanidade!

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

A CRISE EUROPEIA E MUNDIAL: IDEIAS PARA UMA PROPOSTA DE SOLUÇÃO



A CRISE EUROPEIA E MUNDIAL: IDEIAS PARA UMA PROPOSTA DE SOLUÇÃO



Domingos de Gouveia Rodrigues



  1.   A crise europeia e americana é fruto da ruptura estrutural no sistema competitivo mundial, que passou a ser dominado pela China;
  2.  A China é uma nação que baseia sua competitividade na exploração maciça da classe trabalhadora, que não tem acesso a direitos sociais e trabalhistas minimamente aceitáveis no mundo desenvolvido (Europa, Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão);
  3.     A dívida pública e os déficits públicos da Europa são a face mais visível de sua perda de competitividade, fruto da tentativa de manter o sistema de bem-estar social num mundo crescentemente dominado pelo paradigma chinês;
  4.   A dívida pública da Europa, Estados Unidos e Japão é impagável dentro dos critérios ortodoxos/tradicionais e políticas de austeridade tradicionais só servirão para criar sofrimento e desemprego em massa;
  5.    A solução da crise internacional passaria, primeiro, pela redução a zero das dívidas públicos desses países. Em seguida, o sistema financeiro seria nacionalizado e os bancos centrais assumiriam o controle dos bancos que seriam capitalizados com fundos públicos. No futuro, os bancos poderiam ser gradativamente privatizados, mas passariam a funcionar dentro de regras totalmente diferentes;
  6.   A Constituição dos países seria alterada para prever uma situação de dívida pública zero e déficit público zero, estabelecendo-se uma carga tributária máxima de 25% do PIB;
  7.   Haveria uma redução substancial na carga tributária das empresas, cuja renda real subiria drasticamente, permitindo-lhes investir e criar empregos;
  8.   A China teria duas alternativas: a) criar um sistema de bem-estar social; ou b) sofreria uma taxação substancial de seus produtos para compensar seu dumping social;
  9.   A Europa e os Estados Unidos fortaleceriam seu sistema competitivo, apostando na criação de novas tecnologias, formação de mão de obra qualificada, estímulo à criação de uma elite empresarial empreendedora e substancial redução da carga tributária sobre as empresas;
  10.   Os gastos públicos ficariam restritos constitucionalmente a 25% do PIB em cada ano, e os direitos sociais se ajustariam a essa carga tributária. Todavia, sem o peso dos juros sobre a dívida pública a capacidade de investimento social dos estados aumentaria consideravelmente;
  11.   A OMC seria reorganizada para prever situações mais bem definidas de retaliação em caso de utilização do dumping social como uma arma de competitividade internacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário